Skip to content

Crie seu Removedor de Manchas para Tapete Caseiro!

Você já cansou de derrubar líquidos ou comidas que manchassem seu tapete? Então é hora de você se livrar dos preconceitos e criar seu removedor de manchas para tapete caseiro!

E não precisa se preocupar, o processo é fácil. Confira!

O tapete felpudo, ou seja, aquele que possui grandes fios, pode ser um pouco mais complicado de lavar – especialmente no inverno. Por isso, a recomendação é que você pense em lavar seu tapete de fio longo durante o verão. Neste meio tempo, para não sofrer com os insetos, bactérias, sujeiras – e claro, o chão frio, recomendamos que você passe um aspirador a cada semana ou 15 dias, para evitar riscos.

Entretanto, quando houver uma mancha ou bater o desespero com aquela sujeirinha, é só seguir os nossos passos e criar seu removedor de manchas. Confira!

Removedor de Manchas Caseiro


Tem coisa mais chata do que derrubar algum alimento gorduroso ou com molho no seu tapete? E nem só de comida estamos falando! Derramar refrigerantes, vinho e até mesmo urina dos bichinhos é o suficiente para marcar quase que permanentemente nossos tapetes.

Nessa hora, ter seu próprio removedor de manchas para tapetes caseiro pode ser um salva vidas. Veja como fazer!

1. Pegue um papel absorvente e passe sobre o tapete para tirar o excesso. Também passe suavemente um pano com água morna e deixe secar para ver, então, se há uma mancha persistente.

2. Misture 1l de água com ¼ de xícara com sabão líquido neutro ou de coco.

3. Mexa até fazer espuma.

4. Use uma escova de dentes velha ou uma macia e vá passando a mistura com movimento circulares, sem uso excessivo de força.

5. Após limpa, passe novamente um pano úmido e deixe secar naturalmente ou utilize um secador para cabelos.

Legal né? Vai salvar os momentos de desespero! Além disso, aumenta a vida útil do produto e evita que você tenha de comprar tapetes com maior frequência, já que é um investimento alto.

Como saber que você tem herpes

Os vírus herpes simples (HSV-1 e HSV-2) são os vírus responsáveis pelas infecções de herpes. Enquanto eles causam pequenas erupções cutâneas e são extremamente comuns (estima-se que 56% dos adultos tenham HSV-1 e 16% tenham HSV-2), esses vírus podem causar muita angústia por ignorância, estigma e ideias desatualizadas sobre saúde sexual.
Embora os médicos possam tratar os sintomas, aliviar a dor e reduzir a possibilidade de espalhar o vírus, ele não pode ser curado. Em vez disso, ele passa por ciclos de dormência e pode voltar a ocorrer a qualquer momento, com ou sem sintomas. Descubra se você tem herpes examinando comportamentos de alto risco, reconhecendo sintomas e testando.
Conheça os vírus da herpes.

Existem dois tipos de vírus Herpes (HSV), HSV-1 e HSV-2. Ambos podem ser considerados herpes genital, uma vez que ambos os tipos podem se espalhar para os genitais. No entanto, o HSV-2 é muito mais comum nos órgãos genitais.
O HSV-1 é a tensão mais comum nos lábios e na boca, mas pode ser transmitida através do sexo oral, assim como o HSV-2. Existem maneiras de tratar eficazmente os sintomas de ambos quando ocorrem, embora não haja cura.
• O tratamento é uma parte importante da gestão da doença. Se você não tratar o herpes genital, você pode espalhar a doença para outros (incluindo seu bebê, se estiver grávida), experimentar inflamação da bexiga, notar inflamação retal e em casos graves, obter meningite.
Observe os sintomas aproximadamente 2 semanas após a contração de herpes. Embora possa demorar um pouco para que o primeiro surto apareça, geralmente é pior do que os surtos futuros.
Você pode não saber que você esteve exposto à doença, por isso preste especial atenção aos sintomas que você começa a desenvolver. Os sintomas gerais da gripe são sinais da infecção. Estes podem incluir febre, dores musculares, diminuição do apetite e fadiga. Consulte um médico se você acha que está tendo seu primeiro surto de herpes.

Lamento dizer, mas você deve ter herpes

Odeio ter que dizer isso para você, mas provavelmente você tem herpes.
Descrevemos que cerca de dois terços da população mundial está infectada com o vírus herpes simples tipo 1 (HSV-1), de acordo com um relatório recente divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Os pesquisadores da OMS estimaram que 3.7 bilhões de pessoas com menos de 50 anos estão infectadas com HSV-1, que é mais conhecida como causa de feridas.
Outros 417 milhões de pessoas no mundo entre 15 e 49 anos possuem HSV-2, o tipo mais comumente considerado uma doença sexualmente transmissível.
Mas obtenha isso - 140 milhões de adultos têm infecções genitais causadas pelo HSV-1, o que significa que meio bilhão de pessoas poderiam transmitir sexualmente qualquer vírus.
Embora esta notícia possa ser chocante - não surte. A herpes foi seriamente estigmatizado há anos, mas o fato é que, se você não tem um tipo de herpes já, é provável que você seja exposto a ele eventualmente. Abaixo, veja grandes mitos sobre essa infecção comum. Aqui está o que você precisa saber.
Mito: feridas e feridas genitais são muito diferentes
Muitas pessoas acreditam erroneamente que as feridas não contam como herpes "real", professora associada clínica no Centro Joan H. Tisch da NYU Langone para Saúde da Mulher. Este grande equívoco decorre dos padrões gerais dos dois tipos.
Embora seja verdade que, na maioria das pessoas, o HSV-1 tende a afetar a boca, e o HSV-2 geralmente se manifesta nos sintomas nos órgãos genitais, tudo o que leva para que um desses vírus se espalhe seja contato pele a pele. Isso significa que as feridas de qualquer um podem aparecer em qualquer lugar do corpo. Veja aqui como curar a herpes.
Para realmente derrubar, digamos que você toque os órgãos genitais de uma pessoa infectada com a boca enquanto eles estão com o vírus, mas não há toque genital para genital. Você pode então estar infectado com HSV-1 ou HSV-2 (qualquer que seja seu parceiro) e continuar desenvolvendo lesões no local da infecção (neste caso, sua boca).